Relate aqui a falta de EPI

Logomarca do Conselho Federal de Medicina

#LINHADEFRENTE
Boas
práticas

AÇÕES DO CFM NO PERÍODO DE PANDEMIA

25.06.2020

CFM reitera, em vídeo, defesa da aprovação no Revalida como critério para que formado em medicina no exterior possa atuar no Brasil


O presidente do Conselho Federal de Medicina (CFM), Mauro Ribeiro, voltou a defender que apenas portadores de diplomas médicos obtidos no exterior que passaram no Revalida sejam autorizados a exercer a profissão no Brasil. Essa mensagem está em vídeo divulgado na terça-feira (23), no qual ele comenta situação que ocorre no momento em Roraima. No estado, a Justiça local permitiu a contratação de pessoas que não conseguiram aprovação no exame nacional de revalidação de títulos estrangeiros.

ASSISTA AQUI O VÍDEO DO PRESIDENTE DO CFM

Ao lado do coordenador do Departamento Jurídico do CFM, Alejandro Bullón, o presidente Mauro Ribeiro alerta para a necessidade de que essa regra seja observada e aponta diferentes situações, em outros estados, onde o entendimento da autarquia foi acolhido por magistrados da Justiça Federal. “Hoje estamos passando por mais uma tentativa de agressão à Medicina brasileira, no sentido de trazer supostos ‘médicos’ formados no exterior – ao arrepio da lei – para trabalhar em território brasileiro, sem comprovar competência para isso por meio do Revalida”, destacou.

Decisões – Ele enumerou decisões recentes, sobre o mesmo tema, obtidas no Acre e na Bahia, impedindo a realização de processos de contratação sem exigência de aprovação do Revalida ou flexibilizando os critérios para realização desse exame. Ambas as situações iam contra o que dita a legislação brasileira.

Mauro Ribeiro e os conselheiros federais e regionais de medicina têm sempre se posicionado em favor da exigência do Revalida por entenderem que se trata de regra que protege a população de riscos. “Um dos pilares do movimento médico brasileiro é que médico, para trabalhar no Brasil, tem que estar registrado nos Conselhos Regionais de Medicina. E disso, nós, não abrimos mão”.

Dados – As estatísticas resultantes da aplicação dos exames têm mostrado, ao longo dos anos, que o índice de aprovação tem sido baixo, o que sugere que os candidatos não possuem o conhecimento, as habilidades e as atitudes mínimas necessárias para atender os brasileiros, com eficácia e segurança.

Na última edição, realizada em 2017, foram cerca de 8,5 mil candidatos e o percentual de aprovação ficou em 3%. Para Mauro Ribeiro, todos os candidatos são bem-vindos e poderão atuar sem qualquer problema, desde que passem por este teste que tem versões semelhantes na maioria dos países. Por exemplo, nos Estados Unidos, Canadá, Reino Unido e outros países da Europa, pessoas que se formaram em medicina em outros países são obrigadas a passar por exames semelhantes para serem autorizadas a exercer a profissão nesses locais.

Comente
Fazer um comentário
Fale Conosco